Doença celíaca: O que há por trás desta doença?


Você conhece alguém que sofre ou já sofreu com a doença celíaca? Aprenda aqui um pouco mais sobre ela, afinal o tratamento correto pode devolver a qualidade de vida de quem passa pelo problema. Continue lendo e confira tudo!

O que é a doença celíaca?

doença celíacaÉ conhecida por ser uma doença autoimune, o que significa que é uma reação do organismo que se desenvolve por intolerância ao glúten (proteína do trigo) e que atinge o intestino delgado.

O intestino delgado passa a desenvolver um processo inflamatório. Dependendo da gravidade da inflamação as vilosidades da mucosa intestinal vão sendo destruídas o que interfere diretamente na absorção dos nutrientes que fica prejudicada.

A diminuição da absorção de um ou mais  nutrientes leva o nome de síndrome de má absorção.

Em qual faixa etária a doença celíaca se desenvolve?

Até pouco tempo essa doença era muito mais frequente em crianças na faixa etária de 1 a 3 anos. Mas hoje, após alguns estudos já se sabe que a doença celíaca pode se desenvolver em qualquer idade.

Quais os sintomas da doença?

Esta doença nem sempre manifesta sintomas, no geral quando os sintomas se manifestam é por conta da síndrome de má absorção. São eles:

  • Diarreia na maioria com presença de gordura nas fezes também conhecida como esteatorreia;
  • Flatulência;
  • Cólicas abdominais entre outros.

Outros problemas que podem se fazer presentes, são:

  • Emagrecimento intenso por conta da má absorção de nutrientes;
  • Carência de vitaminas e minerais como a vitamina D, cálcio, vitamina B12, vitamina K.
  • Lesões na pele;
  • Alterações no esmalte do dente;
  • Dores de cabeça;
  • Câimbras e outros sintomas que variam de acordo com cada organismo.
  • Mau desenvolvimento no crescimento de crianças.

Como é feito o diagnóstico da doença celíaca?

Além de relatar os sintomas (caso estejam presentes) ao médico para facilitar o diagnóstico são feitos:

  • Testes sanguíneos onde se pode avaliar a presença de anticorpos mediante a exposição ao glúten já que é uma doença autoimune. Por isso é muito importante permanecer com uma dieta normal com a presença de alimentos que contenham glúten para que os anticorpos sejam rastreados no exame.
  • Biópsia intestinal: É indicada para pessoas que tenham lesões na pele em decorrência do desenvolvimento da doença. É onde também é possível identificar se há lesões nas vilosidades intestinais provocadas pelo glúten dos alimentos.

Como tratar a doença celíaca?

Para todas as pessoas que buscam por mais qualidade de vida é muito importante que se façam exames clínicos periódicos para detectar qualquer tipo de problema do organismo e tratar da melhor forma.

Em caso de confirmação do diagnóstico da doença celíaca você deve buscar pelo auxílio de um nutricionista. Este é o profissional mais indicado para cuidar da sua alimentação a fim de que você ganhe mais qualidade de vida e não venha sofrer com os sintomas da doença por conta de uma alimentação inadequada.

Uma dieta sem glúten corresponde a 90% do tratamento da doença celíaca.

Como deve ser a dieta?

A dieta deve ser livre de glúten e mantida por toda a vida do paciente com a doença. Desta forma não devem entrar na dieta nenhum tipo de alimento com:

  • Glúten;
  • Cevada;
  • Centeio e seus derivados.

Entram no grupo dos alimentos proibidos:

  • Farinha branca;
  • Farelo de aveia;
  • Farinha de rosca;
  • Trigo para quibe;
  • Farinha industrializada;
  • Malte;
  • Pães em geral;
  • Massas a base de trigo, sêmola ou semolina;
  • Cerveja;
  • Achocolatados que contenham malte;
  • Iogurte com aveia;
  • Alimentos empanados como bife à milanesa, nuggets;
  • Bolos;
  • Docinhos de festa.

Dica: Sempre leia o rótulo dos alimentos! Aqueles alimentos livres de glúten devem conter a descrição: Glúten free.

Em um primeiro momento após o diagnóstico da doença a pessoa que está passando pelo problema se vê restrita a tudo e não enxerga alternativa para continuar sua vida normalmente. A boa notícia é que existe sim como adaptar a alimentação do celíaco para que ele possa ter mais qualidade de vida, para isso existem os substitutos do glúten que estão em uma alimentação mais natural.

Entram na lista dos alimentos permitidos:

  • Arroz assim como a farinha de arroz e o creme de arroz para substituir a farinha branca e a farinha de rosca;
  • Quinoa;
  • Leguminosas como feijão, ervilha, grão de bico;
  • Trigo sarraceno;
  • Batata, batata doce, mandioca;
  • Sagu;
  • Fécula de batata;
  • Polvilho assim como o biscoito de polvilho;
  • Tapioca;
  • Pães e massas sem glúten;
  • Iogurtes e derivados com baixa lactose;
  • Temperos naturais como o alho, cebola e as ervas aromáticas;
  • Carnes em geral;
  • Ovos;
  • Frutas em geral;
  • Hortaliças.
  • Sementes e oleaginosas como as nozes, amêndoas, linhaça, chia, gergelim;
  • Azeite de oliva.

Como você pode ver, a alternativa para conviver bem com a doença celíaca sem apresentar os sintomas é deixar a sua alimentação o mais natural possível e estar sempre atenta (o) ao rótulo dos alimentos.

Se este post te ajudou de alguma forma deixe seu comentário registrado aqui! Participe!

Até a próxima.


Sobre Michelle Cristina Leite dos Santos

Nutricionista, formada desde 2009 pela Universidade Guarulhos. Atuo como personal diet e como redatora para blogs e sites de nutrição contribuindo assim para proporcionar mais qualidade de vida para as pessoas.

Deixe seu comentário