Descubra por que o desenvolvimento do paladar pode influenciar no emagrecimento.


Descubra por que o paladar influencia no emagrecimentoO ritmo de vida da sociedade moderna impulsiona o ser humano a comer de forma desregrada. Em grande parte, esse comportamento é resultado do acúmulo de ansiedade e estresse, que caminham lado a lado no agitado cotidiano. Ocorre que existe uma linha muito tênue entre as crises de ansiedade e estresse, e o desenvolvimento de transtornos correlacionados aos hábitos alimentares.
Entretanto, o quadro pode ficar ainda pior, uma vez que o paladar exerce uma considerável influência em todo esse processo. Afinal, a maioria das pessoas come baseando-se no que lhe confere prazer. O consumo amparado nessa espécie de recompensa costuma vencer a batalha travada contra o sistema que prevê o controle do que é ingerido. Assim, os sentidos vencem a disputa diante dos hormônios que têm a importante função de inibir o apetite, ajudando a promover a saciedade.
Diante dessas circunstâncias, um indivíduo que segue apenas seus instintos alimentares dificilmente conseguirá desenvolver um mecanismo adequado que auxilie a ampliar a sensação de saciedade. Logo, emagrecer nessas condições se torna uma tarefa árdua, complexa e, sobretudo, lenta.

As características do paladar

O paladar pode influenciar no emagrecimento: veja os motivos.

Aliado aos demais sentidos corporais, o paladar pauta o que exatamente será consumido ao longo da existência do indivíduo. Ter predileção por alimentos que exalam substâncias aromáticas doces é algo inerente ao ser humano. Conforme o organismo se desenvolve, surge o apreço por alimentos salgados. Uma vez atingido esse estágio, a maioria das pessoas tem dificuldade em consumir receitas supostamente “sem sabor”.
Já o teor amargo ou azedo causa repulsa devido ao vínculo que esses sabores possuem com substâncias que possam estar com suas propriedades deterioradas, ou até mesmo serem nocivas ao organismo, como as substâncias venenosas.
Quanto à gordura, ela também passa a ser um elemento bem apreciado quando sua suave textura está unida com o sal ou o açúcar. As variadas possibilidades combinatórias entre esses três ingredientes proporcionam as mais diversas e criativas receitas. Em suma, esses elementos induzem ao consumo guiado pura e simplesmente pelo desejo de comer, jamais pela necessidade de reposição de nutrientes que estejam deficitários. A primeira consequência inevitável desse processo é o desequilíbrio interno do organismo. E neste estado, o corpo começa a acumular gordura, açúcares, e sal, apenas para citar o básico. Logo, o aumento do peso é a segunda consequência.

Quando a indústria alimentícia não ajuda

Naturalmente, os projetistas que trabalham para as companhias de alimentos têm a função de produzir receitas de produtos que tenham um apelo intenso sobre o consumo. E qual a melhor maneira de se fazer isso que não seja combinar, sabiamente por sinal, açúcar, glutamato, e sal? – Não necessariamente nessa ordem, e muito menos sempre juntos.
Mesclados da maneira correta, esses alimentos proporcionam uma vontade incontrolável de ingerir até o último farelo do biscoito recheado, ou de uma massa folhada. Evidentemente, cada indivíduo detém suas próprias preferências, mas é quase certo que o desejo de comer algo doce ou salgado tende a prevalecer. As preferências se resumem a esses dois polos: alimentos doces, ou salgados. Raramente alguém levanta a mão para dizer que prefere alimentos com sabor amargo, cítrico, azedo, etc.

A necessidade de reeducar o paladar

Muito se fala em reeducação alimentar, que é importante. Mas, simultaneamente a ela, é preciso manter o foco voltado à reeducação do paladar, que é o comandante supremo do que será ingerido pelo indivíduo ao longo de toda a sua vida. Caso o paladar não seja apresentado às outras possibilidades de alimentos disponíveis, ele ficará propenso a se tornar um mero refém dos alimentos doces, ou salgados.
Para fugir a essa dualidade que, dentre outras coisas, interfere na qualidade e no tempo de vida de todos, o paladar deve entrar em contato com outros aromas, devidamente combinados. Essa é única forma de abandonar a predileção pelo doce ou salgado, isto é, fazer com que o paladar avance do seu típico caráter infantil para um paladar adulto, ou amadurecido.
Em outras palavras, é necessário substituir as fontes alimentares que fornecem apenas prazer ao comer, mesclando-as com alternativas inteligentes e que também garantem a reposição dos nutrientes essenciais ao organismo. Neste ponto, adotar o hábito de consumir frutas puras ajuda a criar certa neutralidade. Este é um ótimo ponto de partida para começar a explorar outros alimentos, por mais que, em princípio, nos pareçam tão indigestos.

Leia também:
Coloque mais sabor no seu prato com temperos naturais
Veja nossas dicas para deixar sua sopa mais saborosa e nutritiva
Como educar o paladar infantil
Como o paladar contribui para o ganho de peso
Paladar saudável em formação


Sobre Galdino

Paixão por saúde e qualidade de vida. Desde 2013 buscando informações sobre a melhor maneira de se viver com mais saúde e melhor qualidade de vida. Mantenho alguns blogs com o objetivo principal de passar adiante as informações e o conhecimento que tenho adquirido ao longo desse tempo. Durante esses anos tenho "corrido" atrás de conteúdos relevantes que, de alguma forma possa me ajudar e ajudar outras pessoas a viver com mais qualidade de vida. Ps. Tenho 47 anos, sou goiano, evangélico, solteiro e tenho um filho de 13 anos, motivo do meu orgulho e alegria. Sou apaixonado séries e filmes de ação e adoraria aprender tudo sobre fotografia.

Deixe seu comentário