Microcefalia: Entenda o fator mais preocupante ligado ao Zika vírus

A microcefalia é uma malformação de nascença onde a cabeça dos bebês portadores, é menor do que o esperado. Recém-nascidos com essa condição, muitas vezes têm cérebros menores, que podem não se desenvolver adequadamente.

Microcefalia: Entenda o fator mais preocupante ligado ao Zika Vírus

O que é microcefalia?

Microcefalia é um termo usado para descrever um distúrbio neurológico raro. Ela se caracteriza por uma cabeça substancialmente menor em bebês recém-nascidos, em comparação com as dimensões da cabeça de outras crianças da mesma idade e sexo.

Essa malformação pode ser uma condição isolada, o que significa que ela pode ocorrer sem que haja outras complicações. Mas também pode ocorrer em combinação com outros defeitos congênitos.

Quais as causas da microcefalia?

Geralmente é causada devido ao desenvolvimento anormal do cérebro da criança, no útero ou após o nascimento. Durante a gestação, a cabeça do bebê cresce porque o cérebro cresce.

No caso da microcefalia, o cérebro do bebê não se desenvolveu adequadamente durante a gravidez ou parou de crescer após o nascimento. Assim, o crânio da criança também não se desenvolve.

As causas reais dessa malformação ainda não são bem entendidas pela ciência. Sabe-se que problemas de origem genética e algumas infecções causadas por vírus, como o Zika vírus, transmitido pelo mosquito Aedes aegypti (do qual muito se tem falado), também podem desencadear a microcefalia.

A forma mais grave dessa condição é chamada de microcefalia severa. É o extremo desta condição, onde a cabeça do bebê é extremamente menor do que o esperado.

Quais são os sinais de que o bebê apresenta microcefalia?

O principal sinal, como já foi dito, é o tamanho da cabeça, que se refere à circunferência. Isto é, a medida ao redor da área superior da cabeça.

Os médicos usam gráficos de crescimento padronizados para comparar as medidas das crianças afetadas com as de outras crianças. Algumas crianças tendem a ter cabeças menores, mas considerado normal.

No Brasil, está sendo utilizado o perímetro inferior a 32 centímetros, como casos considerados microcefalia (para crianças que nascerem com mais de 37 semanas de gestação).

Diagnóstico

A Microcefalia pode ser diagnosticada durante a gravidez ou após o nascimento do bebê.

Durante a gravidez
Durante a gravidez, ela pode ser, na maioria das vezes, diagnosticada com um exame de ultrassom. Para isso, o exame deve ser feito no final do segundo trimestre ou no início do terceiro trimestre.

Após o nascimento
Para diagnosticar microcefalia após o nascimento, o médico irá medir a distancia do entorno da cabeça do bebê recém-nascido, também chamado de circunferência ou perímetro cefálico.

Microcefalia: Entenda o fator mais preocupante ligado ao Zika Vírus

Se o médico suspeitar  do diagnóstico positivo, ele pode solicitar um ou mais exames, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, para ajudar a confirmar .

Tratamento

A Microcefalia é algo para a vida toda. Não há nenhuma cura conhecida ou tratamento padrão, pois ela pode variar de leve a grave e as opções de tratamento também podem variar.

Porém, bebês com microcefalia leve, muitas vezes não possuem nenhum outro comprometimento, além do tamanho da cabeça relativamente menor. Essas crianças deverão fazer exames de rotina para monitorar seu crescimento e desenvolvimento.

Muitas das crianças portadoras dessa condição, podem precisar de maiores cuidados durante toda sua vida. Assim, os pais devem estar preparados para dar todo o amor e atenção que elas possam precisar.

Espero ter tirado suas dúvidas! Diga-nos como esse artigo lhe ajudou a entender essa malformação. Deixe seu comentário.

No próximo sábado falaremos sobre: Exercícios para emagrecer

Deixe seu comentário

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE