AVC: Acidente Vascular Cerebral

O Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma doença grave e que pode levar à morte. Popularmente chamado de derrame ou derrame cerebral, o AVC faz com que haja uma brusca mudança em todas as funções neurológicas do indivíduo, uma vez que há o rompimento ou entupimento dos vasos sanguíneos existentes no cérebro. Além do mais, o AVC deixa sequelas que acompanharão o paciente pelo resto da vida, além da possibilidade de reincidência. Sabendo disso, é muito importante estar atendo aos sintomas do AVC.

AVC - Acidente Vascular Cerebral: Popularmente chamado de derrame ou derrame cerebralEssa doença pode se revelar brusca e rapidamente sem dar quaisquer chances de reação ao indivíduo por meio de paralisações e grande dificuldade de movimentação. Quando um caso dessa doença ocorre trata-se de uma emergência médica extremamente urgente e o paciente precisa ser hospitalizado o quanto antes.

Quanto mais o atendimento médico demorar, maiores serão as chances de que haja posteriores sequelas, ou pior; pode ocorrer a morte do indivíduo.

Fatores de risco, tipos e principais sintomas do AVC

O maior fator de risco para o desenvolvimento de um AVC é a hipertensão arterial, comumente chamada de pressão alta, a diabetes, a obesidade, altos índices de colesterol, fibrilação atrial, o sedentarismo, assim como o consumo de drogas como o cigarro.

O avanço da idade também aumenta as chances da ocorrência de um AVC . Vale lembrar que os cuidados básicos com a saúde são essenciais e sempre que possível mantenha-se longe dos principais fatores de risco.

Tipos de AVC: hemorrágico e isquêmico.

AVC hemorrágico ocorre quando há o rompimento de algum vaso sanguíneo do cérebro.

O AVC isquêmico é quando ocorre o entupimento dos vasos sanguíneos do cérebro (mais sobre ele logo abaixo).

Sinais que indicam que você possa estar sofrendo um AVC

  • Grande tontura e diminuição drástica do equilíbrio, podendo haver quedas e tombos sem qualquer obstáculo ou explicação lógica.
  • Fortes dores de cabeça que não passam.
  • Dificuldade repentina para falar, movimentar a boca e emitir sons.
  • Também se torna difícil engolir alimentos.
  • Fraqueza repentina em uma das pernas, podendo haver sensação de queimação.
  • Os braços ficam pesados e torna-se muito difícil levantá-los e movimentá-los.
  • Grande dificuldade em dar passos simples para caminhar, andar ou correr.
  • A visão começa a ficar embaçada e turva e tudo começa a escurecer.
  • Pode ocorrer em ambos os olhos ou em apenas um – e quando for apenas em um deles isso é um indício de AVC ainda mais forte.

Fique atento. Caso sinta um ou mais desses sintomas ou então os perceba em alguém procure ajuda médica imediatamente.

Tratamentos e reabilitação após um AVC

Como dito inicialmente por atingir diretamente o cérebro e afetar as funções motoras o AVC é extremamente letal e deixa sequelas. Por isso a importância de procurar ajuda médica imediata ao perceber os sintomas. Após a ocorrência de um AVC existem formas de tratamento que irão ajudar na reabilitação do paciente, que pode perder total ou parcialmente os movimentos de algumas partes do corpo.

Com base em cada caso o médico irá indicar o melhor tratamento a ser seguido. Comumente é indicado o tratamento psicológico uma vez que o quadro proporciona o desenvolvimento de transtornos psicológicos, tal como a depressão profunda. É preciso cuidar do aspecto psicoemocional do paciente após o caso de um AVC.

Também há o tratamento dietoterápico no qual o indivíduo passa a seguir uma dieta específica para as necessidades do corpo após um acidente vascular cerebral. O tratamento é multidisciplinar e também envolverá fisioterapia e fonoaudiologia, uma vez que os músculos da face comumente são afetados de modo a prejudicar a fala.

Maneiras de prevenir um AVC

Sim, é possível fazer o máximo para diminuir bastante as chances de um caso de AVC. Para isso você deve evitar todos os fatores de risco, principalmente a hipertensão arterial, que é a maior causadora do AVC. Diabetes, colesterol, sedentarismo, obesidade e outros fatores de risco já abordados também deverão ser evitados ou controlados.

Sobre o AVC Isquêmico

Essa é uma categoria de Acidente Vascular Cerebral chamada de Isquêmico, o que provém de isquemia, que é a falta de suprimentos levados pelo sangue à determinada região do tecido orgânico em função de uma obstrução por placas de gordura acumuladas ou então de coágulos sanguíneos. Essa ocorrência acaba por resultar na não transferência de glicose e oxigênio para as células. No caso do AVC, exatamente as células do cérebro é que sofrerão com a ausência desses componentes, o que as faz morrer.

O AVC isquêmico é uma doença que pode levar à morte e, portanto, precisa ser vista de modo sério o que engloba uma série de esforços a fim de evitá-lo. E no caso do AVC isquêmico (e não da isquemia em si), o que ocorre é a obstrução dos vasos por coágulos de sangue, podendo ser por um trombo ou então um êmbolo, um coágulo que percorre a corrente sanguínea até prender-se nas paredes internas de algum vaso sanguíneo ou artéria.

Os tipos de AVC isquêmicos

Diferente do AVC hemorrágico, no AVC isquêmico não há rompimento dos vasos sanguíneos e sim o entupimento resultando na falta de oxigenação e energização das células.

Existem dois tipos desse gênero de AVC, sendo eles:

AVC isquêmico cardio embólico

Nessa modalidade de AVC isquêmico há a presença de doenças cardiovasculares as quais acabam por jogar na corrente sanguínea os ditos êmbolos, normalmente coágulos de sangue que acabam chegando até o cérebro, resultando no entupimento de algum vaso sanguíneo assim dando início ao AVC.

AVC isquêmico atero trombótico

Esse AVC ocorre em decorrência da aterosclerose, uma doença na qual há a formação de placas nos vasos sanguíneos cerebrais, o que acaba por resultar na obstrução dos mesmos e surgimento do quadro clínico.

Fatores de risco que podem levar ao AVC isquêmico

A hipertensão arterial desempenha fator predominante em ambos os casos de AVC, tanto no hemorrágico quanto no isquêmico. Assim como a diabetes, as doenças cardiovasculares em geral, o colesterol, obesidade, sobrepeso, sedentarismo e o consumo em excesso de e álcool e cigarro, sem falar que com o passar dos anos os riscos de ter um AVC aumentam naturalmente.

A fim de evitar essa probabilidade, segue abaixo algo importante:

Como prevenir o AVC isquêmico?

Ao analisar todos os fatores de risco você deve evita-los, eliminá-los ou preveni-los um a um. O único contra com o qual não há como lutar, infelizmente, é o avanço da idade. Porém, com hábitos saudáveis que envolvam exercícios físicos e alimentação saudável as chances do AVC isquêmico desenvolver-se já diminuem bastante.

Sintomas e Tratamentos

Os principais sintomas do AVC isquêmico são:

  • Dores de cabeças intensas surgem repentinamente.
  • Um dos lados do corpo começa a apresentar lentidão e fraqueza.
  • Visão turva e/ou embaçada.
  • Tontura, quedas e/ou desmaios.
  • Fraqueza nas pernas ou em um dos lados do corpo.
  • Sensações de queimação e formigamento.
  • Um dos lados do corpo fica paralisado repentinamente.

O tratamento do AVC isquêmico necessita extrema perícia clínica, uma vez que a pressão arterial do paciente não deve ficar alta nem baixa demais, o que em ambos os casos poderá ser fatal. Com relação ao tratamento de todas as sequelas deixadas pela ocorrência da doença isso irá variar conforme a gravidade das mesmas.

Sabe-se, porém, que quanto mais rápido o paciente é atendido durante um quadro de AVC, menores serão as sequelas. O tratamento das mesmas comumente é multidisciplinar, envolvendo medicação, fisioterapia, acompanhamento psicológico e outros complementos.

O AVC é uma doença grave, letal e precisa ser prevenida. Cultive bons hábitos hoje para colher saúde no futuro. Além do mais, se você se identificou com alguns dos fatores de risco procure por ajuda médica e comece a tratar-se a fim de evitar esse mau. Em caso de aparição dos sintomas em você ou em alguém próximo, não hesite em chamar por socorro médico imediato.
Sintomas de AVC

Paralisação facial que gera assimetria e “caretas”

O aspecto de quem está tendo um acidente vascular cerebral pode ficar um tanto quanto fechado durante o ocorrido, uma vez que ele afeta o cérebro e compromete o sistema nervoso central. Ou seja, ele irá afetar diretamente os movimentos do corpo, inclusive os faciais.

Normalmente um dos lados do rosto fica paralisado enquanto o outro se movimenta “normalmente”. É algo o qual a pessoa não pode controlar. Sabendo disso, fique atendo, pois se trata de um dos sintomas mais claros de um AVC. Ao percebê-lo em alguém ou em si próprio tente procurar por ajuda médica urgente.

Fraqueza nos membros e extremidades

Tal fraqueza é um claro indício de AVC e normalmente acomete as extremidades do corpo, isto é, um braço ou uma perna. Normalmente também ocorre em um dos lados do corpo e surge de maneira súbita. Dificilmente os dois lados ficam fracos, sendo que provavelmente apenas um deles irá sofrer dessa rápida e fugaz fraqueza.

A sensação de dormência e queimação também podem estar presentes e indicam ainda mais que um AVC está em pleno curso. Também pode ocorrer a total paralisia de um dos lados do corpo o que é facilmente percebido pelas pessoas ao redor. Essas sensações podem começar de leve e irem aumentando gradativamente e é então que a fraqueza começa a aumentar bastante, sendo que tal processo pode levar horas. Portanto, fique muito atento.

A fala e capacidade de engolir alimentos são prejudicadas

Quando alguém está acometido por um AVC esses sintomas são grandes indícios de que é necessário procurar por ajuda médica urgentemente. Devido a afetar diretamente o cérebro e as capacidades motoras, o AVC faz com que os músculos da face também sejam prejudicados e isso torna a simples ação de falar algo muito difícil. Os estímulos do paciente não são capazes de fazer com que seus músculos se movimentem de forma adequada para falar ou mesmo engolir alimentos.

Confusão mental, desmaios e coma

Uma vez que o AVC afeta diretamente o cérebro é normal que haja grande confusão mental no indivíduo, sendo que ele poderá sentir tontura, desequilíbrio, fraqueza e poderá vir a desmaiar ou mesmo entrar em estado de coma.

Durante a confusão mental o sujeito poderá perder as noções de espaço e tempo, sendo incapaz de saber que horas são, datas de aniversário, o mês vivido e o dia atual. O coma ocorre quando o nível de consciência cai drasticamente e, isso significa que o caso é grave. Por isso é tão importante estar atento aos vários sintomas do AVC e buscar por socorro o mais rápido possível.

Convulsões, dificuldades de caminhar e desequilíbrios

As fraquezas, formigamentos e paralisações poderão fazer com que o paciente não consiga caminhar e muito menos correr ou mover-se rapidamente. O caso normalmente está acompanhado de desequilíbrios e quedas.

Não obstante, em alguns casos a perda da consciência e danos causados no cérebro levará o paciente a convulsões. A crise convulsiva não somente pode ser um sintoma de AVC como também poderá vir a se tornar uma das sequelas dessa grave urgência médica.

Deixe seu comentário